segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Surreal

Há certos momentos em que a realidade se apresenta a partir de um amontoado de fatos surreais. Neste emaranhado de acontecimentos, quando percebe-se que ter qualquer convicção é privilégio dos desonestos ou dos mal informados, a disposição para escrever escoa pelo ralo da pia.

Mas se a disposição foi perdida no meio do caminho, há algo que não perdemos jamais: o senso de humor. Inspiramos fundo, rimos e do nada a motivação está de volta.

Foi mais ou menos esta a sensação que tive ao me deparar com a manchete do Surrealista (notícias reais que parecem coisas do Sensacionalista): "Bandidos roubam 25 bandejas de pierogue no Paraná. E mais! O que é Pierogue?".


Claro que fui ler a notícia. E o texto explicava que pierogue é um pastel polonês e ainda trazia um link para a receita.

Lógico que eu quis ler a receita. Farinha, ovo e água para a massa e para o recheio batata e requeijão ou ricota. Acabaria aí, nada que despertasse um grande interesse, mas então...

Nas informações adicionais uma alma pra lá de caridosa dava algumas dicas, sobre como ao cozinhar a massa subiria como nhoque e que deveria ser servido com molho de manteiga e cebolas fritas.

Manteiga e cebola fritas.

Pirei!

E neste momento mágico o cardápio do fim de semana foi definido.

o blog vai, o blog vem e a qualidade das fotos continua a mesma (péssimas)

Em uma tigela coloque 350 g de farinha de trigo, faça um buraco no meio e acrescente 1 ovo, 1 pitada de sal e 1 fio de azeite. Misture com um garfo até que a farinha fique úmida e então acrescente aos poucos água fria até obter uma massa uniforme, que não grude nas mãos e que seja possível de sovar. A quantidade de água pode variar, depende da umidade da farinha, do tamanho do ovo e da generosidade do azeite, mas para esta receita 100 ml foram mais do que suficientes.

Após sovar bem a massa deixe descansar coberta com um pano levemente úmido. Após meia hora a massa estará bem lisinha e fácil de esticar (embora levemente elástica).

Com um rolo de macarrão estique até que a massa tenha mais ou menos 1 mm de espessura. Corte em círculos com a ajuda de um copo, ou cortador próprio, e recheie.

Para o recheio utilize 300 g de batata cozida em água com sal e 300 g de cream cheese (o cream cheese é por minha conta, prefiro a textura) tempere com azeite, sal, pimenta do reino e salsinha finamente picada, amasse as batatas e misture tudo muito bem até obter um creme homogêneo.

Utilize um garfo para auxiliar na hora de fechar as bordas dos pasteizinhos.

Panela no fogo com água e sal, deixe ferver. Ferveu, deixe em fogo médio e coloque pequenas porções para cozinhar. Exatamente como estava nas informações adicionais em pouco tempo os pastéis subiram à superfície, mais 2 ou 3 minutos de cozimento (depende da grossura da massa), retire da água fervente e coloque em água fria. Depois de cozidos, escorra bem e reserve.

Aqueça uma frigideira grande com 2 colheres (sopa) de azeite e 4 colheres (sopa) de manteiga, quando derreter mantenha o fogo alto e coloque 1 cebola em finas fatias e um pouquinho de sal. Depois que a cebola estiver bem douradinha coloque os pierogues e misture delicadamente enquanto massa e molho se mesclam.

Sirva e impressione-se!

Muito similar ao raviole, mas com nuances que o tornam um prato único. Simples, delicado e delicioso. Daqueles sabores capazes de trazer conforto e satisfação imediatos. 

Durante alguns minutos após o jantar o mundo realmente parecia ter voltado a fazer sentido e me convenci até mesmo de que vale a pena acreditar, seja lá no que for.

pi pi pi o que?
Pierogue (porção para 3 pessoas)

Ingredientes
massa:
350g de farinha de trigo
1 ovo
1 fio de azeite
1 pitada de sal

recheio:
300g de batata
300g de cream cheese
sal, azeite, pimenta do reino e salsinha para temperar

Molho
2 colheres (sopa) de azeite
4 colheres (sopa) generosas de manteiga
1 cebola extra grande

quarta-feira, 9 de março de 2016

Paz e arroz


risotos sempre parecem uma gororoba na foto... mesmo quando é um delicioso risoto de costelinha com queijo coalho bem tostadinho... 

Sim, a dieta continua. E para comemorar os quilos a menos a gente faz o que? Prepara um cardápio especial sem se preocupar com as calorias. Claro!

Um prato que nos faz lembrar que carboidrato é amor e que será capaz de proporcionar aquela paz interior que há tempos a dieta não nos permite sentir.


A primeira etapa começa no dia anterior com o preparo da costelinha. Tempere 500 g de costelinha suína com 3 dentes de alho, 1 dose de cachaça, o suco de 1 limão, sal, pimenta do reino e azeite a gosto. Deixe marinar na geladeira por um tempinho (2h são suficientes).

Panela de pressão, azeite aquecido, frite bem a costelinha (sem a marinada) até que fique com aquele aspecto dourado de dar água na boca. Aí então acrescente a marinada, outra dose de cachaça e FOGO!

Após flambar cubra com água fervente, tampe, espere pegar pressão e marque 45 minutos. A carne deve estar soltando do osso. 

Agora desfie a costelinha. Em uma frigideira, aqueça azeite novamente e então frite 1 cebola cortada em finas fatias meia lua, acrescente um pouco de sal durante a fritura.

As cebolas devem ficar bem moreninhas, para isso mantenha o fogo alto e mexa sempre (aproximadamente 15 minutos), quando as cebolas estiverem no ponto, acrescente a costelinha desfiada, refogue rapidamente e reserve de novo.

Guarde também a água do cozimento. Passe a água do cozimento por uma peneira e leve à geladeira de um dia para o outro.

No dia seguinte... A gordura estará sólida na superfície do caldo, retire a gordura (boicote moderado à dieta), complete com água até atingir 2 litros e já está pronto o caldo para ser utilizado no preparo do risoto.

Última etapa do pré preparo: o queijo coalho.

Pique 200 g de queijo coalho em cubos de aproximadamente 1 cm (pode ser o queijo em peça ou o de palitinho mesmo). Em uma frigideira bem quente com pouco azeite frite o queijo coalho até que esteja dourado de todos os lado. Ele vai ficar meio crocante por fora.

Agora sim, tudo certo para começar o risoto propriamente dito.

Panela, azeite aquecido, refogue uma cebola picada finamente até que fique translúcida, acrescente 1 e 1/2 xícara de arroz carnaroli, mexa e acrescente 1 dose de vinho branco seco. Aos poucos acrescente o caldo da costelinha (que deve estar fervendo neste momento) mexa sempre. Depois de aproximadamente 15 minutos, o arroz estará um ponto antes do al dente e será a hora de adicionar a costelinha.

Mais 5 minutos de cozimento e o arroz deverá chegar no ponto, acrescente 75 g de castanha de caju picada grosseiramente, 1 colher (sopa) de manteiga e 50 g de parmesão ralado. Misture tudo muito bem,  corrija o sal se necessário, retire do fogo e para finalizar adicione o queijo coalho. Misture novamente e sirva em seguida.

Enquanto tenta-se apreciar este belo arroz cheio de sabor, cremosidade, uma leve crocância da castanha de caju, muitos temperos e  que aromatiza a casa inteira, uma criança grita e corre pela casa chamando a vovó para brincar, um choro de quem acaba de acordar se ouve na sala de jantar, o clube do balanço continua sua canção e vamos assim aproveitando mais um domingo de muita paz.

Paz.
Sim.
Mas sem espaço e nem tempo para tédio.


Ingredientes

Risoto de costelinha com queijo coalho:
500 g de costelinha suína
3 dentes de alho
2 doses de cachaça
2 cebolas
200 g de queijo coalho
1 e 1/2 xícara de arroz carnaroli
1 dose de vinho branco seco
75 g de castanha de caju
1 colher (sopa) de manteiga
50 g de parmesão ralado
sal, pimenta do reino e azeite a gosto

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Injustiças

Não! A vida não é justa.

E não adianta chorar, espernear, ficar de mau humor e fechar a cara. A vida é assim e ponto.

Sempre existirá quem ganha muito mais peso do que merece e quem merece muito mais peso do que ganha.

As frituras e doces continuam responsáveis pelos quilinhos a mais enquanto couve-flor e batata doce estão lá, sempre trabalhadas no cardápio fitness.

Pele de frango? Nem pensar, gordura pura! Já aquele filézinho de frango sequinho, coitadinho, super permitido na dieta.

Torresminho?? Endoidou? Além de engordar quebra o dente.

Chocolate pode, mas só se for amargo.

E sorvete? Pode deixar de lado aquele potinho marrom e vermelho delícia recheado de macadâmias carameladas. Picolé de fruta até que é bom... mas não pode exagerar.

Definitivamente, ao contrário das calças, a vida não é nada justa para quem está de dieta.

Então antes que seja feita a revolução dos pratos, quando arremessaremos pelas janelas as abobrinhas, berinjelas e alfaces e então determinaremos o fim de toda e qualquer dieta que se iniciou na virada do ano, é hora de correr para cozinha e preparar um cardápio todo light.

O desafio? Fazer com que seja saboroso o suficiente para que deixe até quem não está de dieta com água na boca.

Começando pelo risoto de couve-flor. Primeiro erro: chamar de risoto.

Chamar este prato de risoto de couve-flor irá criar muitas expectativas, mas não consegui pensar em um nome melhor, então aceito sugestões. Até lá vou chamar de risoto mesmo.

No processador coloque 1 couve-flor grande limpa e em pequenos buquês, use a tecla pulsar até que a couve-flor se quebre em partes do tamanho de arroz. Reserve.

Em uma panela refogue 1 cebola picada em 1 colher (sopa) de azeite. Acrescente a couve-flor, 1/2 maço de hortelã picada, o suco de 1/4 de um limão, 3/4 de xícara de água e sal a gosto. Tampe e espere 10 minutos em fogo médio (até secar) junte  200 g de mozzarella de búfala ralada, mexa bem até derreter, tampe a panela e sirva.

couve-flor de verão

Um queijinho puxa-puxa deixa tudo melhor (e mais calórico, mas mozzarella de búfala ainda é light, então estamos no lucro) e a hortelã e o limão deixam esta receita com cara de verão.

Para acompanhar filé de frango recheado com batata doce e castanha de caju.

Cozinhe 1 batata doce grande, esmague e adicione 1 colher (sopa) de azeite, 100 g de castanha de caju picada, salsa, noz moscada e sal a gosto. Para dar um toque a mais, adicione páprica defumada. Muita páprica defumada até deixar a mistura bem avermelhada (a páprica que tenho aqui é muito suave, nada picante, por isso abusei, mas caso contrário, use com moderação).

Faça uma bolinha com essa massaroca de batata doce e castanha, coloque no centro do filé de frango previamente temperado com alho, sal e azeite e enrole.

Aqueça uma frigideira, coloque um fio de azeite e os filés para dourar 5 minutos de cada lado e está pronto.

filé de frango recheado com batata doce e castanha de caju (e muita páprica defumada)

Não é que deu certo? Várias texturas diferentes, o crocante da castanha, o adocicado da batata, o defumado da páprica.

Desafio cumprido, doses generosas de sabor e baixas calorias, o suficiente para manter a determinação e não perder a conta dos pontos.

Tudo muito bom, fresco, leve e perfeito para dias de calor, mas devo confessar que continuo sonhando com um mundo onde picolé de fruta engorda e sorvetes cremosos com muito chocolate e caramelo são tudo o que se precisa para emagrecer de maneira rápida e saudável.

Um mundo onde os nutricionistas recomendam pururuca de pele de frango e pedem para que se evite o espinafre...

Um mundo cheio de sabores, gordura e açúcar. De pessoas satisfeitas com seus corpos e em dia com a saúde e só então voltarei a acreditar em justiça nesta vida.

Dramático, né? 
Sim, há um certo muito exagero em tudo isso, mas fazer o que?
Dietas mexem com a gente...


Ingredientes

Risoto de couve-flor (couve-flor de verão):
1 couve-flor grande
1 cebola picada
1 colher (sopa) de azeite
1/2 maço de hortelã
1/4 de limão
3/4 de xícara de água
200 g de mozzarella de búfala
sal a gosto

Filé de frango recheado com batata doce e castanha de caju:
6 filés de frango temperados com alho, azeite e sal
1 batata doce grande
1 colher (sopa) de azeite
100 g de castanha de caju
salsa, noz moscada e sal a gosto
páprica defumada para dar uma graça

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Se melhorar...

...melhora! Claro!

Qual a dúvida?

Tudo o que é bom, sempre pode ficar ainda melhor.

Com isso em mente imagine um pudim de leite. Delícia certo?

Mas pode ser melhor, que tal pudim de leite condensado? Daqueles bem cremosos e que derretem na boca. Melhorou, né?

Agora troca o leite condensado por leite condensado cozido. A mesma cremosidade com a adição do delicado sabor do doce de leite.

Pois é...

Primeiro cozinhe o leite condensado (naquele esquema, lata deitada dentro da panela de pressão, coberta de água, cozinhar por 40 minutos, retirar da pressão, e só abrir depois que esfriar completamente.

No liquidificador coloque 4 ovos, a lata de leite condensado cozido e a mesma medida da lata de leite.

Despeje a mistura em uma forma própria para pudim, previamente lambuzada por calda de açúcar. Leve ao forno, em banho maria, a 180° por aproximadamente 30 minutos. Pronto!

pudim de doce de leite


Além de tudo é fácil de fazer. Essa receita só melhora.

Esse pudim doce de leite foi tão fácil que deu tempo até de lembrar daquela clássica piada.

Aquela que tem 2 pinguins no Pólo Norte em um iceberg, aí o iceberg se dividiu em 2 e cada pinguim foi pra um lado. Um deles gritou:
- Tchau pinguim!
E o outro respondeu:
- Tchau doce de leite...

É... parece que agora estragou!


Ingredientes

Pudim de doce de leite:
1 lata de leite condensado cozido
Leite - a mesma medida da lata
4 ovos

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Possibilidades

Cada ingrediente encerra em si inúmeras possibilidades.

E se na última receita o ingrediente principal era tapioca granulada, nesta receita o ingrediente principal também é tapioca granulada.

Se antes era um petisco, agora também é um petisco.

Pode parecer que é a mesma coisa, mas no fundo é bem diferente.

Em uma travessa misture 3/4 de uma xícara de tapioca granulada, 1 xícara de leite morno, 1 ovo, 7 azeitonas pretas picadas, 1 xícara de queijo meia cura ralado, azeite, sal e orégano a gosto. Misture tudo muito bem e deixe descansar por 10 minutos.

Com uma colher, coloque pequenas porções da massa em uma forma untada com azeite. Pincele uma gema de ovo para ficar bonitinho e leve ao forno preaquecido a 180º por aproximadamente 25 minutos. Pronto!


bolinho de tapioca com azeitona... grandes possibilidades

Bolinho de tapioca, crocante por fora, macio por dentro e cheio de sabor. Combina também com a geleia de pimenta, mas neste caso, como existem outros sabores, pode-se dispensar o toque picante.

Por ser assado é mais saudável e perde aquela urgência do consumo imediato.

E para quem não perde a oportunidade de explorar as possibilidades é um petisco muito versátil. Pode-se saborizar não só com azeitonas, mas com bacon, outros queijos, ervas variadas, calabresa, cogumelos, um franguinho desfiado, palmito e o que mais a criatividade sugerir.

As possibilidades estão sempre ali, basta só um pouquinho de imaginação para enxergá-las.


Ingredientes

Bolinho de tapioca com azeitona:
3/4 de uma xícara de tapioca granulada
1 xícara de leite morno
1 ovo
7 azeitonas pretas picadas
1 xícara de queijo meia cura ralado
azeite, sal e orégano a gosto

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Rolando os dados

É isso aí. O tempo não para!

Os dados já começaram a rolar e as apostas para 2016 são muitas. Ano de olimpíadas, eleições e um turbilhão de emoções.

Sendo assim, é justo aproveitar o verão para respirar fundo, relaxar e petiscar um pouco.

E o petisco de hoje é: dado. Dadinhos de tapioca.

Simples e deliciosos.

Misture em uma travessa grande 2 e 1/2 xícaras de tapioca granulada, 500 g de queijo coalho ralado, 1 L de leite fervente, sal e noz moscada a gosto. Após misturar bem, antes que endureça, coloque em um tabuleiro grande (aproximadamente 25 cm X 38 cm). O tabuleiro já deve estar forrado com papel filme.

Após despejar a massa de tapioca cubra também com papel filme e alise. Geladeira por pelo menos 3 horas.

3 horas depois...

Desenforme a tapioca e corte em cubinhos. Frite em óleo quente até ficar dourado, é rapidinho. Escorra em papel toalha e sirva acompanhado de geleia agridoce de pimenta.

dadinho de tapioca com marquinhas da grelha da fritadeira


Muito, muito, muito bom!

Sabor delicado que ganha um toque ousado com a geleia. Fácil de fazer, não requer prática, nem tão pouco habilidade.

Mas atenção, é fritar e comer. Depois de um tempo ele vai ficando murcho e sem graça... vai perdendo aquele brilho e intensidade de tudo que é novo.

Vale a dica para o ano também. Aproveite o frescor da novidade que todo janeiro carrega em si para dar o primeiro passo em direção às metas desejadas. Depois de um tempo essas metas poderão parecer algo muito distante já que a determinação vai se gastando ao longo dos meses.

Aproveite o tempo enquanto os dados rolam.

Ingredientes

Dadinhos de tapioca:
2 e 1/2 xícara de tapioca granulada
500 g de queijo colaho
1 L de leite
sal e noz moscada a gosto
óleo para fritar (assar pode ser uma boa ideia para quem acabou de começar a dieta)

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

E ano novo também

O ano termina, e começa outra vez.

É isso aí... parece que 2015 está acabando. E já faz tempo que não se aguardava tão ansiosamente pelo fim de um ano.

Não vou dizer que foi ruim, também não foi tão bom assim. Surpreendente e desafiador, na maioria das vezes não no bom sentido que surpresas e desafios podem representar.

No macroambiente cenários e notícias assustadores, daqueles de perder a fé na humanidade, além de perdas irreparáveis. Mas em meu pequeno e humilde microambiente não tenho do que reclamar, a patota cresceu e quando chega alguém novo é como se renovasse dentro de nós a fé e vontade de lutar por um mundo melhor.

Enfim... sobrevivemos!

Então antes que 2015 desista de dizer tchau e vá se acomodando por aqui, vamos preparar a festa do adeus. Mas principalmente, vamos preparar a festa de boas vindas à 2016.

Para não arriscar um repeteco do ano que acaba, todas as mandingas são bem vindas. Já o mau humor e a intolerância que acabem junto com o ano.

Mandinga de fim de ano tradicionalíssima por aqui é comer peixe na virada. E no anzol o linguado virá recheado com couscouz marroquino e castanhas portuguesas, bem parecido com esta receita enrolada aqui, mas com muitas variações a começar pela apresentação do próprio peixe.

Vá a feira, em sua barraca de confiança, escolha 1 linguado bonito e inteiro. De maneira simpática, informe o feirante que você pretende rechear, troque receitas e peça gentilmente para que ele limpe o peixe para o seu preparo. Gentileza é bem vinda sempre, seja o ano que for, já a má vontade...

Bom, o linguado que deveria ser limpo e espalmado veio com escamas e espinhas (e não aquelas escondidas, difíceis de tirar, veio com a espinha central mesmo). Agora realiza... o feirante além de técnica tem uma faca afiada e própria... um pouquinho de boa vontade teria ajudado muito. Mas... 

Continue a nadar, para achar a solução...

Mesmo com uma faca cega e sem muita habilidade o ser humano se esforçou. Obtive dois filés de linguado, com pele, unidos pelo rabo do peixe. Parecia que ia dar tudo errado... mas o importante é não desistir. Que a persistência persista em 2016.

No fim ficou até bonitinho, vai ver esta até é uma boa forma de lidar com este espinhudo, vai ver que foi pelo inusitado do pedido que o feirante não soube entender o que eu pretendia. Vai ver que foi isso e não má vontade, vamos aprimorar a comunicação para a próxima vez. #xápralá

parece estranho, mas até que deu certo

Linguado preparado, tempere com 1 dente de alho grande amassado no pilão, sal, pimenta do reino, o suco de 1/2 limão e azeite. Reserve.

Enquanto isso, prepare o couscouz marroquino. 

Deixe de molho 1 xícara de couscouz em 300 ml de água morna com sal por 30 minutos. Solte o couscouz com a ajuda de um garfo.

Em uma frigideira aqueça 2 colheres (sopa) de manteiga e 1 colher (sopa) de azeite, quando a manteiga acabar de derreter acrescente 200 g de shimeji branco limpo e em pedaços grandes. Espere murchar, acrescente 150 g de castanhas portuguesas cozidas e picadas (também pedaços grandes), adicione o couscouz, raspas de 1 limão, sal e muita salsa. Misture tudo e está pronto!

"Estufe" o linguado com este recheio. Coloque em uma forma untada com azeite, cubra com papel alumínio e leve ao forno preaquecido a 200º por aproximadamente 25 minutos.

linguado recheado com couscouz marroquino para começar 2016 com 2 pés direito

Peixe macio, sabores delicados e harmoniosos. Combina muito bem com aquele espumante leve e borbulhante que nunca pode faltar no réveillon.

Se o que vem por aí em 2016 será bom eu não sei, mas que com esta receita ele já começa ganhando alguns pontos, disto eu tenho a mais absoluta certeza.

Resumindo, tudo o que se quer por aqui no próximo ano: delicadeza, harmonia, leveza, sabor e muitas borbulhas!

Que venha 2016 e que 2015 finalmente acabe.

Feliz Ano Novo!


Ingredientes

Linguado recheado com coucouz marroquino e castanhas portuguesas:
(1 linguado serve 2 pessoas - 1 xícara de couscouz recheia 3 linguados)
3 linguados inteiros e limpos
3 dentes de alho grandes
1 e 1/2 limão - suco e raspas
1 xícara de couscouz marroquino
300 ml de água morna
2 colheres (sopa) de manteiga
1 colher (sopa) de azeite
200 g de shimeji branco
200 g de castanhas portuguesas cozidas e picadas
sal, pimenta do reino, azeite e muita salsa
simpatia, gentileza, boa vontade e persistência a vontade também